C̢mara РC̢mara Municipal de Paragua̤u

Categoria Câmara

porederpcu

CÂMARA REALIZA PLENÁRIA MUNICIPAL DO PARLAMENTO JOVEM

Os jovens paraguaçuenses integrantes do Parlamento Jovem de Minas entregaram ao presidente da Câmara Municipal o documento de propostas desenvolvido por eles e debatido durante a Plenária Municipal

PARLAMENTO JOVEM DE MINAS 2019
TEMA: DISCRIMINAÇÃO ÉTNICO-RACIAL

A Escola do Legislativo da Câmara Municipal de Paraguaçu realizou no último dia 28 de junho a Plenária Municipal do Parlamento Jovem. Durante o evento, os jovens discutiram e lapidaram o documento de propostas elaborado durante as oficinas realizadas na Escola Estadual Padre Piccinini. Após várias modificações, as propostas foram entregues ao presidente da Câmara, André Romão Nasser, que poderá utilizá-las como norteadoras para o desenvolvimento de políticas públicas de enfrentamento da discriminação étnico-racial.

Agora, o PJ entra em sua fase regional. No próximo dia 2 de agosto, em Varginha, os estudantes paraguaçuenses participarão dos grupos de trabalho e juntos com jovens das cidades de Alfenas, Guapé, Nepomuceno, Três Corações, Três Pontas e Varginha elaborarão o documento final de propostas do Polo Sul 3, que será debatido e votado no dia 15 de agosto, durante a plenária regional que será realizada em Três Corações.

Agradecemos imensamente à Escola Estadual Padre Piccinini pela abertura ao projeto, pela cessão do espaço e dos equipamentos para a realização das oficinas. Agradecemos ao diretor José Roberto Tomé, aos vice-diretores Diego Lopes e Francisco de Paula, a monitora Estefânia Taglialegna, aos professores pela liberação dos alunos e a todos os funcionários da escola que, direta ou indiretamente, contribuíram para chegarmos a este momento.

Propostas aprovadas durante a Plenária Municipal
Propostas priorizadas para os Grupos de Trabalho da Plenária Regional

porederpcu

Câmara aprova mudança na Lei Orgânica que institui orçamento impositivo para emendas de vereadores à LOA

CONTAS PÚBLICAS

A Câmara de Paraguaçu aprovou por unanimidade em votação de dois turnos uma modificação na legislação municipal que pode gerar impactos significativos na forma como os recursos do município são executados. Nas noites de 13 e 27 de maio o plenário acolheu o projeto de emenda modificativa 001/2019, que acrescenta dispositivos na Lei Orgânica Municipal para instituir o chamado orçamento impositivo. A matéria adiciona o artigo 56-A, com a seguinte determinação: “É obrigatória a execução orçamentária e financeira da programação incluída por emendas individuais do Poder Legislativo Municipal em Lei Orçamentária Anual”. O limite estabelecido para as emendas é de 1,2% da receita corrente líquida realizada no exercício anterior, percentual que deve ser distribuído de forma equânime entre todos os nove vereadores, sendo a metade necessariamente destinada a ações e serviços públicos de saúde. As programações orçamentárias só não terão execução obrigatória nos casos de impedimentos de ordem estritamente técnica — e para isso o Executivo precisa apresentar justificativas formais no prazo de até 30 dias após a publicação da lei orçamentária. Em termos práticos, isso significa que as mudanças que os vereadores fizerem à Lei Orçamentária Anual precisam obrigatoriamente ser executadas, o que em tese enfatiza ainda mais a importância das audiências públicas da Câmara nas quais são definidas as prioridades de investimentos para o ano seguinte. EM PLENÁRIO A ideia de instituir o orçamento impositivo partiu da percepção de que as emendas definidas pelos vereadores em contato com a comunidade nas audiências precisam de uma garantia legal de que serão de fato cumpridas. Com o suporte especializado da assessoria e da consultoria jurídica, o presidente André Romão Nasser articulou apoios para a elaboração da proposta, que teve então a autoria compartilhada com outros cinco vereadores: Carlos Tourinho, Claudiney Teté, Cleber Vigato, José Maria Ramos e Luizinho da Samantha. Durante a apreciação do projeto, a aceitação foi tranquila. “A votação é um marco histórico para o nosso município. O olhar dos vereadores pode ser diferente e pode complementar a visão do Executivo, de forma que o orçamento seja mais justo e mais próximo das necessidades da comunidade”, comentou André Nasser, que destacou ainda o pioneirismo de Paraguaçu na nossa região quanto à ideia. Luizinho da Samantha mostrou-se honrado em ser um dos autores do projeto e salientou sua animação com o fato de poder ampliar o alcance do trabalho do vereador, posicionamento compartilhado por Pastor João. Claudiney Teté, Marquinho Trovador e Carlos Tourinho também destacaram aspectos positivos do projeto de emenda e manifestaram votos favoráveis à matéria. José Maria Ramos, por fim, lembrou que manejar uma parte do orçamento oferece mais autonomia à Câmara. Depois da aprovação unânime em votação de dois turnos, o projeto de emenda seguiu para sanção do prefeito José Tibúrcio do Prado Neto. NA ESFERA FEDERAL O projeto aprovado em Paraguaçu guarda ressonância com uma pauta que já vem sendo discutida na esfera federal. Entrou em tramitação na Câmara dos Deputados um projeto de lei complementar que pretende tornar obrigatória a execução das emendas de vereadores ao projeto de lei orçamentária anual dos municípios, em combinação com a emenda constitucional 86, que trata do orçamento impositivo no âmbito da União. O autor, deputado Pastor Sargento Isidório (Avante-BA), explicou que o objetivo é assegurar isonomia ao Poder Legislativo em todos os entes federados, já que, além da União, o orçamento impositivo já é adotado em alguns estados. A proposta será analisada pelas comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Depois seguirá para o plenário. O percentual e as condições de imposição das emendas são os mesmos dos regulamentados em Paraguaçu.

porederpcu

PARLAMENTO JOVEM DE MINAS 2019

PARLAMENTO JOVEM E MINAS
TEMA: DISCRIMINAÇÃO ÉTNICO-RACIAL

O PJ 2019 em Paraguaçu está a todo vapor. Ontem, dia 30 de maio, os estudantes fizeram um exercício de escolha dos possíveis representantes de Paraguaçu na etapa estadual do projeto. Cada estudante teve três minutos para dizer porque merecia representar nossa cidade e ao final uma votação entre os próprios estudantes decidiu os cinco que poderão ir à Belo Horizonte para participar da plenária estadual do PJ. Foi também um momento dos jovens exercitarem a oratória e decidirem, de forma democrática, o processo e critérios para a votação.

Já na tarde de hoje, os alunos tiveram uma roda de conversa com o padre Gladstone, representante do catolicismo, e da professora Raquel, representante do espiritismo. O objetivo do encontro foi debater com os religiosos o terceiro subtema do projeto: “Direito às identidades e à diversidade cultural”.

#ParlamentoJovemdeMinas
#MaisJovensNaPolítica

porederpcu

Partindo de iniciativa popular, projeto de lei aprovado na Câmara estabelece política de bem-estar animal em Paraguaçu

Mais rigor contra os maus-tratos

A última sessão ordinária da Câmara de Paraguaçu em 2018 foi fortemente marcada pela participação popular. Realizada na noite de 17 de dezembro, a reunião analisou uma proposta de lei que teve como ponto de partida a mobilização de alunos e professores da Escola Municipal Luiz de Melo Viana Sobrinho e o apoio do Grupo Adote de Paraguaçu.

Destinado a estabelecer a política de bem-estar animal, dispondo sobre o controle populacional de cães e gatos, o estímulo à posse responsável, o incentivo à adoção de animais e a proibição à prática de maus-tratos a cães, gatos e equídeos no município, o projeto 031/2018 teve autoria dos vereadores André Nasser, Luizinho da Samantha e Wander do Jovino, que acolheram as reivindicações da comunidade escolar e levaram a matéria a plenário.

Antes da votação, representantes do colégio pronunciaram-se na tribuna livre da Câmara de forma a ressaltar a necessidade de tornar mais sofisticado o arcabouço legislativo de proteção animal em Paraguaçu.

As alunas Marina Nasser, Stéfany Coelho e Juliana Carvalho, acompanhadas pela professora Thaís Marques Borges, explicaram detalhes da movimentação que uniu estudantes e corpo docente do Melo Viana na tarefa de engajar-se na causa dos animais.

“A partir dos estudos estabelecidos dos estudos de História dos quintos anos da Escola Municipal Luiz de Melo Viana Sobrinho, foram discutidas com os alunos em todo o ano letivo as atitudes cidadãs que podem surgir através da criticidade e respectivamente da participação política. Então o ano inteiro eles trabalharam sobre o Poder Executivo, Poder Legislativo, Poder Judiciário. Assim ficou estabelecida a criação de um projeto de lei que tem como foco principal a defesa dos animais no nosso município, incluindo principalmente caninos, felinos e equídeos”, enfatizou Thaís. “Fizemos dinâmicas nas três salas, discutimos todas as partes importantes do projeto, as sanções. Eu acredito que esse é o primeiro projeto de lei formulado dentro de uma escola aqui no município de Paraguaçu”.

Depois dos pronunciamentos na tribuna livre, o plenário aprovou por unanimidade o projeto de lei. André Nasser e Luizinho da Samantha, dois dos autores da matéria, afirmaram sentir-se honrados pela votação e pela oportunidade de legislar sobre um tema tão relevante.

O medebista Carlos Tourinho lembrou que o projeto é apropriado para os tempos atuais, em que se assiste a muitos maus-tratos de animais, especialmente aos cavalos em Paraguaçu. Claudiney Teté, por sua vez, destacou a relevância do envolvimento dos estudantes no processo legislativo. Já o presidente José Maria Ramos comemorou o fato de votar um projeto que teve iniciativa popular.

CONSCIENTIZAÇÃO E PUNIÇÃO

O projeto que institui a política de bem-estar animal em Paraguaçu é extenso e bastante detalhado em seus pressupostos. A princípio há uma conceituação para definir precisamente na legislação municipal o que representam itens como bem-estar animal, maus-tratos, animal comunitário, animal doméstico, resgate, adoção, posse responsável, centro de zoonoses, entre vários outros.

Segue-se depois por conteúdos relacionados ao caráter didático da lei. De acordo com o texto do projeto, o poder público municipal deve promover programas de educação continuada de conscientização à população sobre a guarda responsável de animais domésticos e a convivência ética e saudável com eles.

Há também os trechos impositivos. Na seção específica sobre tração e transporte de cargas, fica proibido utilizar animais em más condições físicas e castigá-los sob qualquer forma; fazer o animal trabalhar por mais de seis horas ininterruptas; fazer o animal se deslocar por mais de dez quilômetros sem lhe dar descanso, entre outras sanções.

No tópico relacionado aos maus-tratos, a propósito, são listadas 30 práticas que passam a ser enquadradas para a punição da lei, entre elas o corte de parte das orelhas e da cauda para fins estéticos e o abandono de animais em via pública.

Professora Thaís Marques Borges

Já a atividade de criação de animais domésticos com fins comerciais só poderá ser exercida por pessoa jurídica ou física habilitada, após vistoria técnica efetuada por agente responsável e com acompanhamento periódico de médico veterinário.

Para todas as infrações estabelecidas no projeto, os agentes fiscalizadores, independentemente de outras sanções cabíveis decorrentes das legislações federal e estadual, poderão aplicar as penalidades de notificação; auto de infração; recolhimento dos animais; multa e pagamento das despesas com transporte, hospedagem, alimentação e serviços veterinários dos animais.

A pena de multa diária a ser estabelecida para as infrações será arbitrada pelo agente fiscalizador com base nos critérios definidos na Lei, no valor mínimo de 30 Unirf’s e valor máximo de 50 mil Unirf’s, valor que hoje variaria de R$ 91,20 a R$ 152 mil.

VETO PARCIAL

Depois da aprovação do projeto no plenário, o Executivo encaminhou à Câmara já neste mês de janeiro um veto parcial à matéria. No documento o prefeito alega que o projeto original é inconstitucional por invadir a esfera de competência privativa do chefe do Executivo municipal.

O problema foi apontado no artigo 3º, que estaria determinado obrigações ao Executivo que acarretariam aumento de despesas. O trecho fala em “oferecer abrigo e cuidados temporários a animais em recuperação de tratamentos conforme necessidades citadas”.

Os vereadores, que voltam a se reunir na próxima segunda-feira, 4 de fevereiro, podem acolher ou rejeitar o veto parcial.

porederpcu

Cerimônia na Câmara anuncia vencedores da quarta edição do Festival Cultural de Paraguaçu

CULTURA

Definitivamente não faltam jovens talentos em Paraguaçu. E alguns deles foram celebrados na noite de 30 de novembro, quando o auditório da Câmara ficou lotado para a cerimônia de premiação da quarta edição do Festival Cultural de Paraguaçu.

Além de entregar troféus, medalhas e brindes aos alunos campeões dos três concursos do festival (desenho, poesia e redação, todos orientados pelo tema “Com as letras posso voar: 30 anos da Constituição Federal e 20 anos da Academia Paraguaçuense de Letras), o evento abriu espaço para apresentações artísticas e outras duas premiações de competições correlatas: o concurso interno de trovas da Escola Estadual Pedro Leite e o concurso “Ilustrando as Antonietas”, da Escola Municipal Maria Antonieta Alvarenga.

Em meio ao anúncio dos vencedores, o plenário da Câmara acompanhou a passagem brilhante do Coral Allegro Cantante, que encantou o público cantando três canções populares, de uma roda de capoeira do Grupo Negro Arte e de um esquete teatral da Companhia de Teatro Araticum para já apresentar o tema a ser trabalhado na quinta edição do festival, em 2019.

O Festival Cultural é realizado em parceria pela Academia Paraguaçuense de Letras, Associação Cultural de Paraguaçu e Escola do Legislativo da Câmara de Paraguaçu. A sequência dos estudantes premiados segue abaixo.

CONCURSO DE POESIA


Categoria 1
1ª) Nathalia Marques Vezenhassi, do sétimo ano da Escola Estadual Pedro Leite
2ª) Sara Vitória Reis, do oitavo ano da Escola Municipal Maria Antonieta Alvarenga
3ª) Isabela de Fátima Luiz, do sétimo ano da Escola Estadual Pedro Leite

Categoria 2
1º) Vinícius Oliveira Tavares, do nono ano do CBS Objetivo
2ª) Bianca Maria Barbosa Vieira, do nono ano da Escola Estadual Pedro Leite
3º) Breno Junqueira Megale Viana, do nono ano do Cefa

CONCURSO DE REDAÇÃO


Categoria 1
1ª) Maria Fernanda Lima Viana, do oitavo ano da Escola Estadual Pedro Leite
2ª) Laura Prado Dias, do oitavo ano do Cefa
3ª) Manoelly Araújo Custódio Silva, do sétimo ano da Escola Estadual Pedro Leite

Categoria 2
1ª) Julia Aparecida Farias, do primeiro ano médio da Escola Estadual Padre Piccinini
2ª) Alice de Castilho Mendes, do nono ano da Escola Estadual Pedro Leite
3ª) Raissa Aparecida Oliveira, do nono ano da Escola Estadual Pedro Leite

CONCURSO DE DESENHO

Categoria 1
1ª) Micaelly Raiani Lemos Caetano, do oitavo ano da Escola Estadual Pedro Leite
2ª) Maria Fernanda Lima Viana, do oitavo ano da Escola Estadual Pedro Leite
3ª) Amanda Silva Mencarelli, do oitavo ano da Escola Estadual Pedro Leite

 

Categoria 2
1ª) Beatriz Prado Fressato, do nono ano da Escola Estadual Pedro Leite
2º) Flagner Aparecido de Palma, do primeiro ano médio da Escola Estadual Padre Piccinini
3º) João Gabriel Ribeiro Claudino, do nono ano da Escola Estadual Pedro Leite

TROVAS NO PEDRO LEITE


Por ação principalmente da professora e acadêmica Ana Carolina Bastos Órfão, os alunos do Pedro Leite trabalham a elaboração de trovas nas aulas de Língua Portuguesa.

O Festival Cultural promoveu junto à escola um concurso interno que apontou três vencedoras, cujas trovas foram posteriormente submetidas a um concurso estadual realizado pela UBT (União Brasileira de Trovadores). E não é que deu certo? As meninas paraguaçuenses vão receber prêmios também em Belo Horizonte nos dias 8 e 9 de dezembro, hoje e amanhã. São elas:

Grazielly Santos Castilho, do sétimo ano
Leandra Alice Marques Gonçalves, do nono ano
Thaís da Silva Clemente, do oitavo ano

UMA CARA PARA AS ANTONIETAS

Já na Escola Municipal Maria Antonieta Alvarenga um projeto vem estabelecendo uma iniciativa muito interessante entre os alunos nos últimos anos. Uma moeda interna, a Antonieta, permite que os estudantes simulem determinadas transações e tenham uma consciência financeira mais apurada.

Agora em 2018, junto com o Festival Cultural a escola resolveu produzir as cédulas com uma identidade visual mais próxima do real. Para isso, também foi realizado um concurso interno em que os melhores desenhos dos estudantes passariam a ilustrar as notas de 1, 5, 10, 20 e 50. Os desenhistas vencedores foram:

Dhafiny Camilly Silva Alves, do quinto ano
Lorrainy Aparecida Cruz de Oliveira, do nono ano
Maria Eduarda Vilas Boas Pereira, do sétimo ano
Ana Vitória Bernardes, do quinto ano
Kaike Espírito Santo Souza, do quinto ano
Natanael de Jesus, do nono ano

Confira a galeria completa de fotos clicando aqui

porederpcu

CONHECIMENTO Alunos do ensino médio integral da Escola Estadual Padre Piccinini visitam a Câmara para apresentação sobre os três poderes

Os alunos do segundo ano de ensino médio de período integral da Escola Estadual Padre Piccinini fizeram da Câmara Municipal o espaço para uma atividade extraclasse na tarde de 18 de outubro.

Conduzidos pelos professores Nildo Antônio de Paiva e Francisco de Paula Araújo, os estudantes conheceram de perto a dinâmica de trabalho do Poder Legislativo. Na sede da Câmara, na Rua José Bueno, eles foram recepcionados pelos vereadores e pelos servidores.

O coordenador da Escola do Legislativo, Eder Alves, comandou uma apresentação digital explicando as funções da Câmara e as relações que mantêm a harmonia entre os três poderes. Na sequência os alunos visitaram todas as instalações do prédio e ocuparam o plenário onde os parlamentares tomam as decisões legislativas.

“É uma experiência muito boa, que nós não costumávamos ter antes na escola. Eu tinha vindo apenas uma vez à Câmara, durante a votação de um orçamento para a pista de skate. Foi muito bom voltar e aprender sobre os três poderes”, comentou o aluno Ian Henrique Luciano. “Eu era de Guaxupé, me mudei para Paraguaçu há dois anos e foi a primeira vez que visito uma Câmara Municipal”, destacou Ana Laura Domingos Pereira. “Sinto que aprendi aqui muita coisa, vamos formando uma base de conhecimento boa até mesmo para votar, para exercer a cidadania”, concluiu.

porederpcu

Projeto de lei enviado à Câmara estima orçamento municipal para 2019 em mais de R$ 67 milhões

De acordo com o Relatório de Mercado Focus, divulgado pelo Banco Central na última segunda-feira, a tendência é que o ano feche com uma inflação de 4,05% no Brasil. Mas a previsão é que o orçamento de Paraguaçu para o próximo ano cresça acima desse patamar.

Enviado pelo Executivo à Câmara no final do último mês de agosto, o projeto da Lei Orçamentária Anual estima em R$ 67.771.525 o montante disponível para o município em 2019, valor 8,52% superior ao que se previra para ser manejado agora em 2018. A matéria agora é examinada pelos vereadores, que têm a prerrogativa de alterar, dentro dos limites legais, a divisão orçamentária proposta pelo prefeito.

Do valor total, R$ 57,8 milhões são destinados ao trabalho do próprio Executivo, enquanto os quase R$ 10 milhões restantes são direcionados ao Fundo Previdenciário Municipal e à Câmara Municipal.

SAÚDE E EDUCAÇÃO COMANDAM

Até mesmo por exigências constitucionais, as pastas de Educação e Cultura e de Saúde são as que mais vão receber recursos em 2019. Para a primeira o percentual foi definido na casa de 25,7% do orçamento total, enquanto o dinheiro para a saúde chega a 30,3%, ou mais de R$ 20 milhões.

Duas outras áreas também foram privilegiadas no projeto da LOA. O setor de Obras deve ter um aumento orçamentário de 20,99% em relação a 2018, enquanto Assistência Social, Trabalho e Habitação poderá trabalhar com quantias 25,61% mais elevadas.

Na outra ponta, há duas secretarias para as quais os recursos devem cair para o ano que vem. São os casos de Desenvolvimento Econômico e de Esporte e Lazer. Deve-se ressaltar, todavia, que quase metade do orçamento serve para custear o pagamento dos servidores públicos.

À ESPERA DAS AUDIÊNCIAS

A Lei Orçamentária Anual é um projeto discutido necessariamente no segundo semestre na Câmara, a quem cabe a premissa de examinar em detalhes os números e fazer as alterações que os vereadores julgarem necessárias. Para isso o Legislativo também vai organizar audiências públicas abertas à participação da população, eventos em datas ainda a serem definidas provavelmente no próximo mês de outubro.

 

SETOR

ORÇAMENTO 2018

ORÇAMENTO 2019

EXECUTIVO

EXECUTIVO

EXECUTIVO

Administração

R$ 3.950.687,88

R$ 4.317.692,92

Agricultura, Pecuária e Abastecimento

R$ 1.049.038,16

R$ 1.388.490

Assistência social, Trabalho e Habitação

R$ 2.266.852,59

R$ 2.847.408,08

Desenvolvimento econômico

R$ 431.800

R$ 338.950

Educação e Cultura

R$ 17.026.650

R$ 17.432.000

Esporte e Lazer

R$ 1.860.000

R$ 1.802.650

Fazenda

R$ 981.684,46

R$ 1.251.150

Gabinete do prefeito

R$ 1.000.750

R$ 1.156.150

Obras

R$ 5.349.600

R$ 6.472.750

Planejamento

R$ 268.000

R$ 302.250

Saúde

R$ 18.819.700

R$ 20.566.035

LEGISLATIVO

LEGISLATIVO

LEGISLATIVO

Legislativo

R$ 2.096.000

R$ 2.131.000

PREVIDÊNCIA SOCIAL

PREVIDÊNCIA SOCIAL

PREVIDÊNCIA SOCIAL

Funprev

R$ 7.303.500

R$ 7.765.000

 

porederpcu

Após recesso parlamentar, vereadores voltam às sessões ordinárias da Câmara na próxima segunda-feira

LEGISLATIVO

No próximo dia 6 de agosto a Câmara de Paraguaçu vai retomar em plenário os trabalhos legislativos do ano de 2018.

Depois da 21ª sessão ordinária, realizada no último dia 25 de junho, os vereadores entraram no chamado recesso parlamentar, que transcorreu durante todo o mês de julho.

A próxima sessão começa a partir das 19h e é aberta ao público. Além de projetos de lei e assuntos internos, os vereadores dedicam-se a discutir problemas detectados no município e a atender demandas da população.

porederpcu

Quarto encontro dos vereadores mirins debate elementos de política e cidadania no auditório da Câmara

CÂMARA MIRIM


Os vereadores mirins voltaram a se reunir no último dia 14 de julho, no auditório da Câmara Municipal. Na oportunidade os jovens foram provocados a refletir sobre o papel de cada um deles na sociedade, debatendo temáticas relacionadas a política, cidadania e Estado.

O próximo encontro da Câmara Mirim, o quinto dessa formação, está agendado para o dia 11 de agosto.

Estabelecida por lei em junho de 2009, a Câmara Mirim tem por objetivos proporcionar à comunidade espaços de discussão sobre os anseios da juventude em direção à conquista da cidadania e despertar a consciência política nos jovens, tendo como princípios a ética, a moralidade e o bem comum.

A primeira composição do Parlamento para estudantes foi feita em 2014. A ideia para este ano era envolver os estudantes e eleger 12 jovens vereadores para discutir e contribuir com o desenvolvimento da cidade. Como houve empate entre duas candidatas na votação numa das escolas, o número de eleitos foi estendido a 13.

Podiam candidatar-se alunos de escolas locais com idades entre 12 e 16 anos, matriculados de sexto ao nono ano do ensino fundamental. O processo de escolha foi feito por meio de eleição, mediante voto direto e secreto, sendo eleitores os próprios estudantes. Todo esse processo foi coordenado pela Escola do Legislativo da Câmara e pela equipe diretora das escolas.

Participam alunos das escolas Brilho do Saber, Cefa, Fundamar, Guaipava, Maria Antonieta e Pedro Leite.

porederpcu

Em terceiro encontro da Câmara Mirim, estudantes visitam prefeito José Tibúrcio do Prado Neto

JOVENS NA POLÍTICA

Depois de se encontrarem no dia 9 de junho para uma dinâmica em que aprenderam noções sobre as atribuições dos prefeitos, governadores e presidente, os desafios da gestão municipal e os mecanismos de que o chefe do Executivo dispõe para desenvolver seu trabalho, os 13 vereadores mirins de Paraguaçu tiveram um novo encontro no último dia 3 de julho.

Os alunos das seis escolas participantes do projeto visitaram o gabinete do prefeito José Tibúrcio do Prado Neto para conhecer na prática como se organiza o seu trabalho. Lá eles compreenderam melhor as tarefas do mandatário e puderam fazer diversas perguntas.

Além disso, os estudantes encaminharam a Netinho uma série de sugestões e solicitações preparadas previamente nas escolas. Entraram na pauta temas como a falta de lixeiras para depositar o lixo nas vias públicas, a qualidade das estradas rurais, as opções de lazer e entretenimento na cidade, entre outras.

Para o prefeito, o contato de crianças e jovens com a política é um exercício muito produtivo para a formação de cidadãos mais conscientes e atuantes.

“Como gestor público, acho de suma importância esse trabalho, que o Legislativo municipal está fazendo para desenvolver a cultura e iniciar os jovens dentro da política. Eu fico muito grato que o Legislativo continue essa caminhada, porque quem vai ganhar é só Paraguaçu”, observou Netinho.

Cauã Marques Nasser, um dos 13 vereadores mirins, aluno do sétimo ano do Cefa, analisou como esclarecedora e empolgante a experiência de visitar um dos centros de decisões da política paraguaçuense.

“Foi algo surpreendente, inimaginável, porque você começa imaginando uma coisa, chega na hora você vê que é totalmente diferente. A visita é uma prática de tudo que você aprende, o prefeito explicou tudo e você entende. Quando você conversa com quem tem que cuidar da cidade, você vê a importância, você vê a dificuldade e você vê como é o trabalho”, analisou.

Agora os vereadores mirins voltam a se encontrar no próximo dia 14 de julho, quando devem se reunir com o prefeito José Tibúrcio do Prado Neto.

O PROJETO

Estabelecida por lei em junho de 2009, a Câmara Mirim tem por objetivos proporcionar à comunidade espaços de discussão sobre os anseios da juventude em direção à conquista da cidadania e despertar a consciência política nos jovens, tendo como princípios a ética, a moralidade e o bem comum.

A primeira composição do Parlamento para estudantes foi feita em 2014. A ideia para este ano era envolver os estudantes e eleger 12 jovens vereadores para discutir e contribuir com o desenvolvimento da cidade. Como houve empate entre duas candidatas na votação numa das escolas, o número de eleitos foi estendido a 13.

Podiam candidatar-se alunos de escolas locais com idades entre 12 e 16 anos, matriculados de sexto ao nono ano do ensino fundamental. O processo de escolha foi feito por meio de eleição, mediante voto direto e secreto, sendo eleitores os próprios estudantes. Todo esse processo foi coordenado pela Escola do Legislativo da Câmara e pela equipe diretora das escolas.

Participam alunos das escolas Brilho do Saber, Cefa, Fundamar, Guaipava, Maria Antonieta e Pedro Leite.