Audiência pública realizada na Câmara debate flexibilização de regras do Plano Diretor para construção de imóveis residenciais em Paraguaçu | Câmara Municipal de Paraguaçu

Seu nome (obrigatório)

Seu e-mail (obrigatório)

Rua(obrigatório)

Bairro (obrigatório)

Assunto

Sua mensagem

Você pode enviar uma foto

     
Visualizar Perfil
André Nasser
ANDRÉ ROMÃO NASSER
PMDB – Partido do Movimento Democrático Brasileiro

O vereador está preparando sua biografia.
Visualizar Perfil
Carlos Tourinho
CARLOS ALBERTO PRADO
PMDB – Partido do Movimento Democrático Brasileiro
Carlos Alberto Prado, mais conhecido por Carlos Tourinho, nasceu em Paraguaçu no dia 8 de fevereiro de 1965, filho de Jose Geraldo Prado e Maria Aparecida Prado. Em 1971, iniciou seu curso primário no Grupo Escolar Pedro Leite, transferindo-se para o Juvenato do Sagrado Coração de Jesus, na condição de semi-interno, para a conclusão da quinta a oitava série. Prestou o serviço militar para o Exército em Três Corações, na unidade da Escola de Sargento das Armas, em 1984. Em 1992, casou-se com Lidia Moreira da Silva, filha de José Moreira da Silva e Tereza Cândida de Jesus. Sua primeira filha, Jéssica Cristina Silva Prado, nasceu em 17 de agosto de 1993. Em 1999, nasceu seu filho Pedro Augusto Silva Prado, no dia 9 de julho. Em 2001, candidatando-se pelo PFL, elegeu-se vereador com 322 votos, na época em que Evandro Barbosa Bueno comandava a Prefeitura, sendo seu vice José Geraldo Prado ( Zé Tourinho). Candidatou-se novamente em 2004, conseguindo eleger-se pelo PSL com a contagem de 202 votos. Mas ficando na suplência. Contando com sua grande popularidade, candidatou-se à câmara em 2008, conseguindo eleger-se pelo PSC com a contagem 278 votos, mas ficando mais uma vez na suplência. Em fevereiro de 2009 foi contratado pela Prefeitura de Paraguaçu para exercer a função de chefe de divisão de Meio Ambiente, sendo eleito em segunda votação presidente do Codema (Conselho Municipal de Meio Ambiente) pelo mandato de dois anos, na época em que Gantus Nasser comandava a Prefeitura, sendo seu vice Mauro Nasser (Maurinho). Voltou a estudar em 2010, diplomando-se pelo Centro Superior de Ensino e Pesquisa de Machado com o título de habilitação profissional de Química, como Tecnólogo em Gestão e Perito Ambiental, em 2012 passou a trabalhar na função de balconista da Drogaria Americana. Em 2013 passou a Trabalhar na função de balconista na Drogaria e Farmácia Viva Farma onde permanece até nos dias de hoje. Candidatou-Se novamente em 2016 conseguindo eleger-se pelo PMDB com a contagem de 271 votos. No dia três de fevereiro de 2017, sua filha Jéssica Cristina Silva Prado formou-Se em Psicologia.
Visualizar Perfil
Claudiney Teté
CLAUDINEY GONÇALVES CAMARGO
PSC – Partido Social Cristão

(35)84458044
Claudiney Gonçalves Camargo, mais conhecido por Teté, nascido em 30 de Novembro de 1973 , natural de Paraguaçu, filho de Luis Camargo e Maria Auxiliadora Gonçalves Camargo, atualmente é casado com Adriana Gonçalves Alves Camargo pai de 2 filhas, Jessica Gonçalves Camargo e Geisiane Gonçalves Camargo, estudou na sua infância na Escola Municipal Alfredo Galdino e começou a trabalhar de lavrador na Ipanema Agro Indústria aos 14 anos de idade, posteriormente trabalhou na Empresa Paraguaçu Têxtil, onde ficou por 6 anos, em seguida trabalhou na cidade vizinha de Elói Mendes na Empresa Souza Campos como tecelão. No dia 13 de Outubro de 2000 deparou-se com uma situação (Uma mulher estava chorando na rua, precisando de doadores de sangue para seu filho que estava hospitalizado devido a um acidente, eram 14:00 hrs e a mulher não havia conseguido encontrar nenhum doador desde a manhã daquele dia e então Teté se comoveu-se e saiu a procura de doadores, conseguiu 20) que posteriormente o levaria a desenvolver um trabalho social voluntário, formando um grupo de doadores de sangue denominadoGRUPO DE DOADORES DE SANGUE SALVANDO VIDA, AMOR AO PRÓXIMO, Hoje o Grupo conta com cerca de 1300 doadores, que todo o sábado se dispõem a doar um pouco de seu tempo para ajudar o próximo. Atualmente ocupa uma das 9 cadeiras do Legislativo Municipal, eleito com 582 votos nas eleições municipais de 2012; Na câmara ocupa o cargo de secretário da comissão de urbanismo e infraestrutura Municipal.
Visualizar Perfil
Cléber Vigato
CLÉBER VIGATO
PSDB – Partido da Social Democracia Brasileira

O vereador está preparando sua biografia.
Visualizar Perfil
Pastor João
JOÃO BATISTA MARCIANO
PDT – Partido Democrático Trabalhista

O vereador está preparando sua biografia.
Visualizar Perfil
José Maria
JOSÉ MARIA RAMOS
DEM – Democratas
Presidente da Câmara Municipal
O vereador esta preparando sua biografia.
Visualizar Perfil
Luizinho da Samantha
LUIZ ANTONIO CORREIA
DEM – Democratas

O vereador está preparando sua biografia.
Visualizar Perfil
Marquinho Trovador
AMERICO FRANCISCO BORGES NETO
PP– Partido Progressista

O vereador está preparando sua biografia.
Visualizar Perfil
Wander do Jovino
WANDER TAVARES SANTOS
PDT – Partido Democrático Trabalhista
O vereador esta preparando sua biografia.


Audiência pública realizada na Câmara debate flexibilização de regras do Plano Diretor para construção de imóveis residenciais em Paraguaçu

Postado por: Assessoria de Imprensa


 

CONSTRUÇÃO CIVIL

DSCN9662

 

 

 

 

 

 

As regras para ocupação do solo e o desenvolvimento urbano de Paraguaçu estão contidas no Plano Diretor, um conjunto de leis aprovado há quase dez anos no município. Trata-se de um mecanismo que regula o tamanho mínimo dos terrenos, as condições para a construção de novos loteamentos, a possibilidade de edificação de prédios, o índice de permeabilidade exigido nas construções, entre muitos outros tópicos.

Em se tratando de um código bastante abrangente, é natural que surjam divergências de interpretações e questionamentos quanto ao Plano. Alguns destes questionamentos motivaram a realização de uma audiência pública na Câmara na última quarta-feira, 23 de julho. Promovido pela comissão de infraestrutura e urbanismo do Legislativo, o evento contou com a participação de diversos profissionais ligados ao tema e reuniu propostas que podem vir a flexibilizar as regras do Plano Diretor.

Dois temas primordiais nortearam os trabalhos da audiência, que atraiu mais de 60 pessoas ao auditório da Câmara. O primeiro deles foi a metragem mínima permitida para lotes, hoje estabelecida em 200 metros quadrados em Paraguaçu, valor que esteve em debate no encontro. Outro tema em pauta foi a chamada convenção de condomínio, instrumento que fixa os direitos e as relações de propriedade entre os condôminos de várias edificações e estipula as formas pelas quais se possam desmembrar e alienar porções do terreno, inclusive as edificadas.

Um dos idealizadores da audiência, o vereador Francis Feliciano Santos explicou os motivos do encontro na rodada inicial de discursos, destacando as demandas da população para promover mudanças no Plano Diretor. “Uma das maneiras que a gente encontrou para tentar melhorar é igualar à metragem mínima à da lei federal, que é de 125 metros quadrados. É uma sugestão, porque hoje pessoas de baixa renda conseguem um financiamento de R$ 90 mil, mas não conseguem comprar sua casa”, argumentou o pedetista.

ENTRAVES E DISTORÇÕES
Para ilustrar as pendências verificadas no município com relação às regras do Plano Diretor para a construção civil, o pedreiro Hélio Martins Silva relatou os obstáculos que vem enfrentando para conseguir a liberação burocrática de três casas que ele mesmo construiu.

DSCN9624

“Fiz a casa, aprovou a planta tudo direitinho, vendi. Chega na hora de ir na prefeitura para pagar a guia de ITBI lá foi uma briga, não queria aprovar de jeito nenhum, só aprovou com muito custo. Aí eu já estava construindo outras do mesmo jeito, mas agora não aprova de jeito nenhum. Eu queria saber como você vai na prefeitura, se informa se é normal, no cartório, depois você constrói e chega na hora de vender, não passa”,

protestou.

Se o pedreiro Hélio mencionou os entraves burocráticos, o empresário e também construtor Moisés Rodrigues Torquato revelou as distorções de mercado que vêm sendo observadas em Paraguaçu.

“Há dois anos a gente tinha aí no Jardim das Acácias ou no Costa do Sol terrenos de R$ 25 mil e conseguia fazer uma casa de 70 metros com R$ 550, R$ 600 o metro quadrado. Então daria em torno de R$ 42 mil e, com os R$ 25 mil do terreno, R$ 67 mil no total, casa que seria vendida por até R$ 85 mil. Hoje já não se consegue fazer isso. O custo mais barato hoje do metro quadrado é em torno de R$ 700. Então a casa de 70 metros fica em torno de R$ 49 mil e o terreno mais barato está na faixa de R$ 40 mil. Dá R$ 89 mil, então não tem como vender uma casa por R$ 90 mil, que é o limite do programa Minha Casa, Minha Vida, da Caixa Federal”,

calculou ele.

DSCN9645

UM NOVO FOCO
Presente à reunião, o chefe do setor de engenharia da prefeitura, Janis Inácio de Deus, não se opôs à ideia inicial de reduzir a metragem dos lotes ou estabelecer mudanças no Plano Diretor, mas fez ressalvas que ele considerou relevantes.

“Não tenho absolutamente nada contra alterar para mais ou para menos o tamanho dos lotes, desde que essa situação venha a contribuir com o espaço no qual ele vai estar ocupando, com a rua, com o bairro, com a cidade. Mas onde vão ficar os lotes de 125 metros quadrados? Como vai ser feito isso? Qual o planejamento do bairro, da rua? É preciso pensar que, nos 200 metros quadrados onde estavam cinco pessoas de uma família, talvez em 250 teremos dez pessoas e duas famílias”,

destacou Janis.

Depois dos discursos iniciais dos componentes da mesa oficial da audiência, percebeu-se que os tópicos do debate foram se alterando aos poucos. Foi uma longa e ampla discussão, que se estendeu por mais de duas horas e que contou com muitos depoimentos pessoais, principalmente de cidadãos que construíram casas em Paraguaçu e agora enfrentam dificuldades para regularizar seus imóveis em função de algum tipo de impedimento legal.

Afora isso, o tema avançou a uma conclusão distinta do que se propunha de início. Entre os presentes, chegou-se ao consenso de que a diminuição da metragem dos lotes não altera tanto o panorama dos casos relatados. A necessidade identificada para o município diz respeito às regras de divisibilidade dos terrenos e aos parâmetros já existentes na convenção de condomínio, que estariam descolados da realidade vivenciada no município.

Nesse sentido, o pronunciamento do arquiteto Gustavo Romão Gavião foi esclarecedor.

“O ponto a ser questionado não é o lote mínimo, e sim a divisibilidade do lote. Uma coisa é a gente criar lotes pequenos, outra coisa é subfracioná-los. A nossa questão hoje não é criar lotes pequenos. A nossa questão hoje é a possibilidade de mais de uma família ocupar um lote. Paraguaçu já tem estabelecido o lote de 200 metros quadrados e esse quesito a gente não alteraria. A questão é como nós vamos tratá-lo”,

alertou.

Falando em tom propositivo e usando a experiência de loteador em vários municípios da região, outro profissional do ramo — o engenheiro civil e empresário Julian Caixeta — enfatizou a necessidade de mudanças pontuais no Plano Diretor, inclusive para contemplar as demandas da população de mais baixa renda.

“A grande maioria das cidades da região já adotou os princípios discutidos aqui. Não se permite lotear com lote menor que dez metros de frente, o que a gente acha bastante razoável, mas sim fracionar o lote com restrições (no mínimo seis de frente, no mínimo um metro e meio de recuo, recuo frontal, recuo lateral, recuo em alguns fundos etc). Seria muito bonito, mas é uma utopia querer lotes de 300, 400, 500 metros. Não funciona. A população precisa, tem a classe baixa que precisa de lotes menores. Então se a gente não mudar, como vão ficar os menos favorecidos?”,

questionou Julian.

DSCN9655

 

 

 

 

 

 

 

DEBATE CONTINUA
Ao fim da audiência pública, foi composta uma comissão, que terá a participação de vereadores, empresários, trabalhadores da construção civil, arquitetos, engenheiros e representantes do Executivo. O grupo terá a missão de analisar a legislação atual e esboçar um projeto para ser discutido entre Câmara e Prefeitura o mais brevemente possível.

Todo o áudio da audiência pública está disponível na sede do Legislativo municipal, na Rua José Bueno, e vai ser disponibilizado no canal da Câmara no Youtube.


É autorizada a reprodução das notícias mediante a citação da Assessoria de Imprensa da Câmara Municipal de Paraguaçu.

Se você possui alguma crítica, elogio, dúvida, sugestão, solicitação ou reclamação, utilize a ouvidoria parlamentar .