Na tribuna livre da C̢mara, eletricista protesta contra deciṣo do Executivo de ṇo promover carnaval de rua em Paragua̤u РC̢mara Municipal de Paragua̤u

Na tribuna livre da Câmara, eletricista protesta contra decisão do Executivo de não promover carnaval de rua em Paraguaçu

porederpcu

Na tribuna livre da Câmara, eletricista protesta contra decisão do Executivo de não promover carnaval de rua em Paraguaçu


 

EXPRESSÃO POPULAR

 

site

Adailton Jorge Roberto de Oliveira

A decisão anunciada pelo Executivo municipal de não realizar o carnaval de rua em Paraguaçu em 2015 vem gerando muita discussão pela cidade. E na última terça-feira, 10 de fevereiro, a polêmica ganhou a tribuna livre da Câmara, que recebeu o pronunciamento do eletricista Adailton Jorge Roberto de Oliveira.

Manifestando insatisfação com o que ele considera uma omissão do poder público, Adailton reivindicou o direito da população ao lazer e às festas de caráter popular. No púlpito diante dos vereadores, ele relembrou antigos carnavais e destacou a sua participação em blocos já extintos e a ligação de sua família com a festa, ressaltando sobretudo a alegria de sua avó, a conhecida carnavalesca Rosária Narcisa.

Segundo o eletricista, os blocos não têm condição por si sós de cobrir todos os custos relacionados ao carnaval, mas já vinham se mobilizando nos preparativos para os desfiles. A notícia da não realização da festa causou indignação.

“Acredito que Paraguaçu chegou ao limite, pois há algum tempo vem abandonando a cultura e o lazer a que todos nós temos direito. Acredito que um povo tão sofrido como o nosso, guerreiro, batalhador, trabalhador, tem direito a se divertir, tem direito à alegria. Chega a ser vergonhoso o descaso que o povo sofre com o excelentíssimo senhor prefeito”, afirmou.

“Me entristece saber que eu não tenho a condição de trazer o meu filho para pular o carnaval. A cada dia que passa eu só vejo falar nos jornais de tristeza da nossa cidade, só se mostra roubo nos jornais. Paraguaçu só vira notícia quando morre alguém, quando tem acidente, quando tem roubo. Não é possível que Paraguaçu não tem qualidade nenhuma. Agora acredito que o ponto final foi dizer que não vai ter carnaval”, lamentou.

Em sua manifestação, Adailton propôs que os blocos continuem trabalhando e, caso venham a receber apoio da Prefeitura, promovam um carnaval fora de época em Paraguaçu. E ressaltou a faceta popular e democrática do evento.

“O carnaval é a festa da diversidade, festa que reúne gays, lésbicas, simpatizantes, negros, brancos, pobres, ricos. Carnaval é a festa do povo. Agora a gente não vai fazer a festa do povo”, concluiu.

PLENÁRIO TAMBÉM INSATISFEITO
O pronunciamento repercutiu positivamente entre os vereadores, que fizeram coro às reivindicações de Adailton. O peemedebista Joaquim Bocudo lamentou a não realização da festa, que todo ano movimenta a cidade.

“O carnaval sempre aconteceu em Paraguaçu. Em campanha política foi prometido que não acabaria, mas a gente vê hoje que infelizmente a administração diz que não têm condições de fazer o carnaval. Está mais do que certa essa reivindicação”, observou.

Já os vereadores Selmo Silva e Francis da Van fizeram duras críticas à decisão do Executivo municipal.

“O carnaval de Paraguaçu deste ano só não está sendo feito por falta de interesse e planejamento, pelo descaso com o povo e com as pessoas que gostam do evento. Espero que a ideia dessa gestão mude, porque o carnaval tem que acontecer sim. É uma festa popular, é um folclore e várias cidades estão fazendo, principalmente ao nosso redor. Paraguaçu está ficando para trás mais uma vez”, disse Selmo.

“Para mim é uma vergonha não haver carnaval por falta de interesse do Executivo. É uma tradição que já vem de anos e anos no nosso município e antigamente trazia muitas pessoas para a nossa cidade, movimentava o nosso comércio e tudo mais. É uma falta de respeito a todo cidadão paraguaçuense”, asseverou Francis.

Referindo-se aos três eventos festivos tradicionais de Paraguaçu (o carnaval, a Festa do Marolo e a Expoap), Rafael da Quadra defendeu que não se pode privilegiar a realização de um em prejuízo do outro.

“Se não vai fazer o carnaval, então não faz nenhum. Ou faz os três ou não faz nenhum. Quando a gente iniciou a administração atual, que hoje comanda a nossa cidade, foi relatado que não havia dinheiro, mas no ano passado gastou R$ 70 mil no carnaval. Hoje a Prefeitura, pelo que eu vejo, anda mais estabilizada, então por mim o carnaval teria que acontecer”, advertiu.

No fim do debate, Professor Rafael enfatizou que a não realização da festa em Paraguaçu abre precedente para a possibilidade de ocorrer acidentes automobilísticos nas rodovias da região, já que muitos paraguaçuenses devem viajar até as cidades vizinhas durante as noites de carnaval.

“Seria importante que o nosso município fizesse o carnaval, porque é uma festa que atende o público de Paraguaçu. Muitos irão para outras cidades para pular o carnaval correndo riscos nas estradas. E eu fico preocupado também com aqueles que não têm condição de ir, que ficam excluídos dessa festa tão importante. Além disso, os blocos de carnaval, vários deles tradicionais, já estavam ensaiando, se preparando. Isso também nos preocupa”, argumentou o petista.


Sobre o Autor

ederpcu administrator

Deixe uma resposta