Audiência pública promovida pela Câmara debate números para o orçamento municipal 2014 | Câmara Municipal de Paraguaçu

Seu nome (obrigatório)

Seu e-mail (obrigatório)

Rua(obrigatório)

Bairro (obrigatório)

Assunto

Sua mensagem

Você pode enviar uma foto

     
Visualizar Perfil
André Nasser
ANDRÉ ROMÃO NASSER
PMDB – Partido do Movimento Democrático Brasileiro

O vereador está preparando sua biografia.
Visualizar Perfil
Carlos Tourinho
CARLOS ALBERTO PRADO
PMDB – Partido do Movimento Democrático Brasileiro
Carlos Alberto Prado, mais conhecido por Carlos Tourinho, nasceu em Paraguaçu no dia 8 de fevereiro de 1965, filho de Jose Geraldo Prado e Maria Aparecida Prado. Em 1971, iniciou seu curso primário no Grupo Escolar Pedro Leite, transferindo-se para o Juvenato do Sagrado Coração de Jesus, na condição de semi-interno, para a conclusão da quinta a oitava série. Prestou o serviço militar para o Exército em Três Corações, na unidade da Escola de Sargento das Armas, em 1984. Em 1992, casou-se com Lidia Moreira da Silva, filha de José Moreira da Silva e Tereza Cândida de Jesus. Sua primeira filha, Jéssica Cristina Silva Prado, nasceu em 17 de agosto de 1993. Em 1999, nasceu seu filho Pedro Augusto Silva Prado, no dia 9 de julho. Em 2001, candidatando-se pelo PFL, elegeu-se vereador com 322 votos, na época em que Evandro Barbosa Bueno comandava a Prefeitura, sendo seu vice José Geraldo Prado ( Zé Tourinho). Candidatou-se novamente em 2004, conseguindo eleger-se pelo PSL com a contagem de 202 votos. Mas ficando na suplência. Contando com sua grande popularidade, candidatou-se à câmara em 2008, conseguindo eleger-se pelo PSC com a contagem 278 votos, mas ficando mais uma vez na suplência. Em fevereiro de 2009 foi contratado pela Prefeitura de Paraguaçu para exercer a função de chefe de divisão de Meio Ambiente, sendo eleito em segunda votação presidente do Codema (Conselho Municipal de Meio Ambiente) pelo mandato de dois anos, na época em que Gantus Nasser comandava a Prefeitura, sendo seu vice Mauro Nasser (Maurinho). Voltou a estudar em 2010, diplomando-se pelo Centro Superior de Ensino e Pesquisa de Machado com o título de habilitação profissional de Química, como Tecnólogo em Gestão e Perito Ambiental, em 2012 passou a trabalhar na função de balconista da Drogaria Americana. Em 2013 passou a Trabalhar na função de balconista na Drogaria e Farmácia Viva Farma onde permanece até nos dias de hoje. Candidatou-Se novamente em 2016 conseguindo eleger-se pelo PMDB com a contagem de 271 votos. No dia três de fevereiro de 2017, sua filha Jéssica Cristina Silva Prado formou-Se em Psicologia.
Visualizar Perfil
Claudiney Teté
CLAUDINEY GONÇALVES CAMARGO
PSC – Partido Social Cristão

(35)84458044
Claudiney Gonçalves Camargo, mais conhecido por Teté, nascido em 30 de Novembro de 1973 , natural de Paraguaçu, filho de Luis Camargo e Maria Auxiliadora Gonçalves Camargo, atualmente é casado com Adriana Gonçalves Alves Camargo pai de 2 filhas, Jessica Gonçalves Camargo e Geisiane Gonçalves Camargo, estudou na sua infância na Escola Municipal Alfredo Galdino e começou a trabalhar de lavrador na Ipanema Agro Indústria aos 14 anos de idade, posteriormente trabalhou na Empresa Paraguaçu Têxtil, onde ficou por 6 anos, em seguida trabalhou na cidade vizinha de Elói Mendes na Empresa Souza Campos como tecelão. No dia 13 de Outubro de 2000 deparou-se com uma situação (Uma mulher estava chorando na rua, precisando de doadores de sangue para seu filho que estava hospitalizado devido a um acidente, eram 14:00 hrs e a mulher não havia conseguido encontrar nenhum doador desde a manhã daquele dia e então Teté se comoveu-se e saiu a procura de doadores, conseguiu 20) que posteriormente o levaria a desenvolver um trabalho social voluntário, formando um grupo de doadores de sangue denominadoGRUPO DE DOADORES DE SANGUE SALVANDO VIDA, AMOR AO PRÓXIMO, Hoje o Grupo conta com cerca de 1300 doadores, que todo o sábado se dispõem a doar um pouco de seu tempo para ajudar o próximo. Atualmente ocupa uma das 9 cadeiras do Legislativo Municipal, eleito com 582 votos nas eleições municipais de 2012; Na câmara ocupa o cargo de secretário da comissão de urbanismo e infraestrutura Municipal.
Visualizar Perfil
Cléber Vigato
CLÉBER VIGATO
PSDB – Partido da Social Democracia Brasileira

O vereador está preparando sua biografia.
Visualizar Perfil
Pastor João
JOÃO BATISTA MARCIANO
PDT – Partido Democrático Trabalhista

O vereador está preparando sua biografia.
Visualizar Perfil
José Maria
JOSÉ MARIA RAMOS
DEM – Democratas
Presidente da Câmara Municipal
O vereador esta preparando sua biografia.
Visualizar Perfil
Luizinho da Samantha
LUIZ ANTONIO CORREIA
DEM – Democratas

O vereador está preparando sua biografia.
Visualizar Perfil
Marquinho Trovador
AMERICO FRANCISCO BORGES NETO
PP– Partido Progressista

O vereador está preparando sua biografia.
Visualizar Perfil
Wander do Jovino
WANDER TAVARES SANTOS
PDT – Partido Democrático Trabalhista
O vereador esta preparando sua biografia.


Audiência pública promovida pela Câmara debate números para o orçamento municipal 2014

Postado por: Assessoria de Imprensa


 

Como tem feito anualmente, na noite de 8 de novembro a Câmara promoveu uma audiência pública para discutir os números do orçamento municipal para 2014. O projeto da Lei Orçamentária Anual tramita na Casa desde agosto e deve ser votado até o fim do ano. Antes que isso aconteça, a população foi convidada a discutir a matéria, que faz uma previsão dos gastos do Executivo, do Legislativo e do Fundo Previdenciário Municipal.

 

Apesar da pequena presença de público, a audiência trouxe à tona questões importantes para o futuro de Paraguaçu. Vereadores e cidadãos discutiram, por exemplo, o apoio a entidades assistenciais do município, o valor do repasse para a Fundação Hospitalar, o aumento do Promatep, entre outros temas.

 

Argumentos em aberto

A dinâmica do encontro foi conduzida de forma a analisar os repasses programados pelo Executivo item por item das 15 áreas em que se divide a administração pública em Paraguaçu. Uma projeção digital apresentou os números ao público presente, que pôde intervir a qualquer momento e apontar suas sugestões verbalmente ou por escrito.

 

Alguns temas levantaram questionamentos em função da estranheza despertada por sua menção no orçamento ou pelo pequeno repasse previsto. Foram os casos da criação da Guarda Municipal, que o próprio prefeito Evandro já admitiu não considerar uma medida justificável para a realidade de Paraguaçu, e a verba destinada às demandas ambientais locais, considerada irrisória pelos presentes. O projeto também contempla a “manutenção da Casa da Cultura”, que nem sequer existe na cidade.

 

No tópico Educação, o auxílio do Promatep polarizou o debate. Com repasse previsto de R$ 300 mil, o benefício foi alvo de objeções levantadas pelo jornalista Fábio Gonçalves. “Tenho duas preocupações: primeiro a de que não suba [o valor do benefício]. Tem muito estudante que trabalha, não tem recurso, depende do pouco salário que recebe e compromete o seu dinheiro para pagar a ida para estudar. E a segunda preocupação é quanto aos prestadores de serviço, os donos de van. Se a prefeitura der um aumento de R$ 20 para o aluno, os donos de van automaticamente sobem R$ 20 também. Então minha preocupação é a cartelização de preços, porque não existe competitividade entre os empresários de van com relação a isso”, ponderou.

 

O presidente da Câmara anunciou, todavia, que a Câmara vai abrir mão de parte dos recursos a que tem direito legal no orçamento para suplementar as verbas de outros setores, como o do próprio Promatep. Para chegar a essa decisão, houve um consenso entre todos os vereadores, que definiram quais áreas devem receber os novos aportes.

 

Mais adiante, já no tópico Saúde, o mesmo Fábio questionou a estratégia de transferir a administração do pronto-socorro municipal à Fundação Hospitalar de Paraguaçu, principalmente em função dos altos valores envolvidos na função. “Na visão geral da população, o pronto-socorro não atende de acordo. Mesmo assim foi contemplado com um acréscimo de verba. Há uma denúncia pública da má utilização de recursos dentro do pronto-socorro. Não seria um risco, antes de apurar a existência da utilização inadequada ou não do recurso público, promover um aumento? Nós não temos outro caminho? Será que esses R$ 3 milhões não criariam um novo hospital junto à policlínica? Será que a administração pública é tão incompetente que não consegue gerir um hospital?”, questionou.

 

Sobre esse assunto, os vereadores Professor Rafael e Marlon Tomé levantaram pontos de vista um pouco distintos do de Fábio. “As reclamações são pertinentes, entretanto nós percebemos que mais de 90% delas são de casos de pouca complexidade, que não deveriam ser atendidos no pronto-socorro. O ideal é que o nosso município tenha um pronto-atendimento, porque o PSF funciona da forma equivocada, como um equipamento para tratar de pessoas doentes, e sua filosofia não é essa. O PSF é para fazer acompanhamento, fazer prevenções, ele não trabalha com demanda espontânea — que é quem chegar vai ser atendido —, e sim com agendamento. O cidadão que acorda doente, com uma dor de garganta, uma coisa relativamente simples, não tem onde recorrer”, analisou Rafael.

 

“O custo de um hospital é muito alto e eles [diretores da Fhop] estão na corda bamba. Então nós ficamos numa posição muito difícil. ‘Ah, vamos reduzir, vamos tirar, é muito’. E se tirar? E se não der essa atenção à população, esses atendimentos que são dados, que não são totalmente perfeitos, mas são bons? A prefeitura não tem competência para gerir. Raros são os municípios que conseguem manter um hospital, porque é muito complexo, é um setor muito sensível. Claro, nós precisamos aprimorar, fiscalizar, olhar mais de perto, ver o porquê que não está tendo o total atendimento”, destacou Marlon.

 

Quase no fim do debate, o diretor da Fundação Daud Gantus Nasser, Luís Régis Costa Júnior, reivindicou um repasse maior para a instituição, que cuida de 50 crianças carentes do município e lida com dificuldades financeiras permanentemente. “São R$ 80 mil para o Lar São Vicente de Paulo, R$ 80 mil para as Damas de Caridade e R$ 30 mil para a Associação de Assistência Social Daud Gantus Nasser. Nós já tínhamos conhecimento dessa redução do convênio e da previsão do fechamento da associação para o próximo ano. Mas a Associação continua e hoje só tem esse convênio como fonte de renda. Com esse convênio viriam para a associação R$ 2.500 mensais. Nem a folha de pagamento, de R$ 4.700, seria contemplada”, protestou o diretor.

 

Na agenda de dezembro

Depois da audiência, os vereadores recolheram as sugestões firmadas pela população e deram início ao trabalho de triagem das propostas que podem ser transformadas em emendas ao projeto da Lei Orçamentária Anual. A matéria tem que ser votada obrigatoriamente até o final do ano. O orçamento para 2014 está fixado em R$ 45 milhões.

 

tabela LOA 2014

Clique para ampliar

 

Clique aqui para baixar os Slides da Audiência Pública

 

 

 

 

 


É autorizada a reprodução das notícias mediante a citação da Assessoria de Imprensa da Câmara Municipal de Paraguaçu.

Se você possui alguma crítica, elogio, dúvida, sugestão, solicitação ou reclamação, utilize a ouvidoria parlamentar .